Campanha Sem Direitos Não é Legal ganha fôlego

25/05/2015

Uma nova etapa é levada adiante por entidades sindicais brasileiras e internacionais que estão lutando pelos direitos dos trabalhadores do McDonald’s, em iniciativas que conta com o total apoio do SITRATUH. Agora, a campanha Sem Direitos Não é Legal tem a principal missão de convencer autoridades brasileiras a cobrar do McDonald’s respeito às leis trabalhistas. De acordo com informações presentes no site da CONTRATUH, já foram realizadas visitas institucionais a representantes dos três poderes, com a concordância de que é necessário unir forças para garantir os direitos dos trabalhadores e o compromisso das autoridades em investigar as denúncias feitas pela campanha.

Como informa também o site da CONTRATUH, Integraram a comitiva o diretor de organização e das campanhas internacionais da SEIU (Service Employee International Union), Scott Courtney, o presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), José Calixto Ramos, o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (CONTRATUH), Moacyr Roberto Tesch Auersvald, e representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de São Paulo (Sinthoresp). Em todas as visitas, conforme o site da Confederação, a CONTRATUH protocolou um documento com um breve relato das infrações cometidas pelo McDonald’s e se colocou à disposição dos órgãos governamentais para prestar esclarecimentos.

Confira alguns dos resultados mais concretos surgidos da agenda de encontros, como informa a matéria presente no site da CONTRATUH:

a. O senador Paulo Paim abraçou a causa e propôs a realização de uma audiência pública internacional no Congresso Nacional, para debater a precarização de direitos trabalhistas pela rede mundial de fast food;

b. O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, comprometeu-se a reforçar a fiscalização com o objetivo de identificar irregularidades. Também será feito um levantamento das autuações realizadas no ano passado, a fim de identificar quais são os problemas mais comuns. Na próxima semana haverá uma reunião em Brasília para tratar do assunto.

c. O procurador Geral do Trabalho, Luís Camargo, voltou a dizer que deve ser formada uma força-tarefa com o apoio do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) para verificar se o McDonald’s tem cumprido acordos judiciais e a legislação nas lojas em todo o país. Ele reforçou a necessidade de que seja feito um trabalho de forma articulada. 

d. O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Antonio José de Barros Levenhagen, disse que não suspeitava, mas considerou deplorável a situação relatada de desrespeito às leis trabalhistas. “Farei uma comunicação formal aos meus colegas de Tribunal para que eles tenham conhecimento do problema, que não está circunscrito ao Brasil”, disse.


Total de 1 foto


Mais eventos


FILIADO À: